Número total de visualizações de página

sexta-feira, novembro 26, 2010

Exposição "Oradour-Sur-Glane" Fotografia de Duarte Regalado_até 02 Jan2011

10 de Junho de 1944, Oradour-Sur-Glane, uma pequena vila Francesa situada nas proximidades de Limoges é cercada pela 2º Divisão Panzer SS “das Reich”. A pretexto de serem verificadas as identidades dos seus habitantes toda a população é obrigada a reunir-se na praça principal desta pequena localidade. Rapidamente o argumento muda e a busca de armas e explosivos escondidos, passa a ser o motivo evocado. Os homens são separados das mulheres e crianças enquanto os soldados presumivelmente efectuam as buscas. Mulheres e crianças são levadas para a igreja, enquanto os homens são divididos em seis grupos e encaminhados para celeiros. O que aconteceu de seguida não tem explicação: pouco depois das 16h e com toda a cidade cercada, a SS começa a matar todos os homens para pouco depois, por volta das 17h ser colocada uma bomba de gás na igreja. Esta bomba não funciona como o esperado, mas isso não altera os propósitos dos soldados: ainda hoje é possível ver as marcas das balas utilizadas para matar as mulheres e as crianças. Em cima dos corpos é, de seguida empilhada madeira e ateado fogo queimando os corpos e matando as pessoas que ainda se encontravam vivas, dentro da igreja Madame Rouffanche é a única sobrevivente desta verdadeira chacina. Momentos antes vê a filha ser morta com uma bala, mas consegue fugir pela janela junto ao altar. Uma mulher segue-a com um bebé ao colo, o choro deste último alerta os soldados que disparam e atingem as duas mulheres e a criança. Só Madame Rouffanche sobrevive e consegue escapar ainda que ferida. Morreram ao todo 642 pessoas. Não há compaixão por ninguém. Um bebé é queimado até à morte no forno da padaria local. Quem entra na cidade para saber o que se passa é abatido a tiro. A destruição continua no final da tarde. As casas são saqueadas e todas queimadas até à retirada final da unidade a 13 de Junho de 1944. Hoje a aldeia mantém-se tal como ficou nesse dia. AS FOTOS SÃO O REGISTO DO CENÁRIO QUE POR LÁ ACONTECEU.

segunda-feira, outubro 25, 2010

domingo, maio 23, 2010

Festa da Criança - No âmbito do dia mundial da criança

_______________________________________________ Marcação prévia em eventos.paralelo38@gmail.com

exposição "Pássaros" - por: Nuno Manarte até 27 jun

Inspirada no filme “Os pássaros” de Alfred Hitchcock, esta obra integra a madeira e o metal e pretende reinventar a mensagem inerente ao filme em questão. Esta peça esteve anteriormente exposta no Centro de Artes de Ovar durante o Ovarvídeo 2009, numa exposição com o tema “Em exibição”, juntamente com outras do Colectivo Arte às Tantas.

terça-feira, abril 27, 2010

"...for a dream" by Jimmy Landers sexta 07mai 22h38m

Jimmy Landers é a alcunha já de longa data, de Hugo Neves, nascido no Porto. Começou por tomar um outro tipo de gosto pela música aquando da frequência de um curso específico de dj. Jimmy, tem um leque de influências musicais tão alargado, que por vezes lhe é difícil fazer uma escolha mais específica para um espaço. Que comece a aventura…

terça-feira, abril 06, 2010

ciclo de tertúlias culturais_café com_valter hugo mãe sex16abr 22h38m

por: Leme(Associação de Intervenção Socio-cultural) valter hugo mãe nasceu em Saurimo, Angola, no ano de 1971. Licenciado em Direito, pós-graduado em Literatura Portuguesa Moderna e Contemporânea. Vive em Vila do Conde. Publicou quatro romances: a máquina de fazer espanhóis (Objectiva/Alfaguara, 2010) o apocalipse dos trabalhadores (Quidnovi, 2008), o remorso de baltazar serapião, Prémio José Saramago (Quidnovi, 2006) e o nosso reino (Quidnovi, 2004). A sua obra poética está revista e reunida no volume folclore íntimo (Cosmorama, 2008). Prémio Almeida Garret de poesia com o livro egon schielle, auto-retrato de dupla encarnação, 1999. É autor de dois livros para crianças, ambos editados em 2009, A verdadeira história dos pássaros, e A história do homem calado. Escreve a crónica Autobiografia Imaginária no Jornal de Letras. valter hugo mãe é vocalista do grupo musical Governo (www.myspace.com/ogoverno) e esporadicamente dedica-se às artes plásticas. Recebeu, em 2009, o troféu único Figura do Futuro, atribuído pelo Correio da Manhã. Recebeu, em 2010, a Pena de Camilo Castelo Branco. Mais informações em www.valterhugomae.com

terça-feira, março 23, 2010

o senhor dos cordeis por: Thomas Bakk - 27mar 23h38m

“O SENHOR DOS CORDÉIS” é um viajante que traz na mala muitas histórias para contar, dos lugares por onde andou, das personagens que encontrou, e de tudo o que se passou, numa fantástica aventura no tempo! Nesta apresentação Thomas interpreta várias personagens utilizando o Teatro, a Música e a interacção com o público, numa sessão de contos surpreendente e divertida. Contos inéditos e de tradição oral.

quinta-feira, fevereiro 11, 2010

quarta-feira, fevereiro 10, 2010

domingo, janeiro 17, 2010

E a música ficou mais pobre...Adeus...Lhasa de Sela

Versátil, incrível, humilde na sonoridade, forte na emoção. Foi um prazer tê-la cá. O Mundo ficou melhor. A Música mais rica. A Arte mais diversificada. Engraçado, foi-se o corpo, mas o Mundo continua melhor, a Música mais rica e a Arte mais diversificada. É este o valor da obra genial! Obrigada Lhasa de Sela.

sábado, janeiro 16, 2010

quinta-feira, janeiro 14, 2010